Essa história começou em 1982, na Alemanha, quando a jovem francesa de 14 anos, Kalinka Bamberski, foi encontrada morta na casa de sua mãe e de seu padrasto em Lindau, uma cidadezinha na Bavária.

André Bamberski, o pai de Kalinka, vivia em Pechbusque, uma vila perto de Toulouse, França, e achou estranho quando recebeu o telefonema da ex esposa anunciando a morte da filha. Ninguém soube explicar o motivo e as circunstâncias que rodeavam o caso deixaram Bamberski ainda mais desconfiado. Mas o que o Sr. Bamberski recebeu apenas com uma pitada de desconfiança se desenrolaria em um caso de mais de 25 anos.

 

Kalinka Bamberski e Dieter Krombach, seu padrasto

Segundo o site do pai da garota, ele só foi saber dos detalhes mais tarde e gradualmente.

O corpo de Kalinka foi encontro por seu padrasto, o cardiologista Dieter Krombach.  Foi ele, um ex diplomata e médico respeitado na cidade, quem chamou a  emergência e quem forneceu as primeiras informações aos socorristas. Contou que no dia anterior havia administrado a Kalinka um remédio (que ele não especificou) para ajudá-la a se bronzear.  Por volta da meia noite, disse ter passado em frente ao quarto e dado a ela um comprimido para dormir, porque ela estaria com insônia.

A autópsia fora feita com a presenta do Dr. Krombach, algo extremamente irregular e suspeito. O laudo dizia que o corpo apresentava diversas marcas de agulha, uma ruptura vaginal feita APÓS a morte além de sangue e uma substância LEITOSA na região genital.

Apesar de ter sido o primeiro a encontrar o corpo, Dr. Krombach só foi questionado pela polícia uma única vez, no dia após a morte e pelo TELEFONE. Durante esse depoimento Krombach contradisse o que havia dito ao socorrista. Afirmou que havia administrado ferro e cobalto para tratar uma anemia (da qual Kalinka não sofria) e, após encontrá-la desfalecida, dopamina (um neurotransmissor que AUMENTA a frequência cardíaca) e Dilaudid (um opiáceo FORTE como o cão).

Não precisa ser médico para sacar que um remédio que LIGA e outro que DOPA não fazem sentido. Apesar disso, o legista não achou necessário fazer um exame toxicológico na garota.

 

Uma autoridade alemã

 

 

Disso o senhor Bamberski só ficou sabendo 3 meses depois, quando finalmente recebeu o laudo e pode traduzi-lo. A essa altura o caso já havia sido fechado pela polícia alemã sem nenhum suspeito. Percebendo a OBVIEDADE do que estava acontecendo, Bamberski passou anos tentando reabrir a investigação. O promotor alemão negou, sua ex o acusou de estar tentando manchar a imagem de seu atual marido e, desesperado, Bamberski foi até a cidade em que a ex esposa morava e distribuiu um panfleto contando aos moradores que lá vivia um assassino. Ele foi preso pela polícia duas horas depois e e processado por difamação. Foi condenado a pagar mais de R$500.000 ao homem que ele tinha certeza que era o assassino da sua filha.

 

Bamberski começou a ficar puto pracaralho

 

Você viu a cara do Sr. Bamberski. Você acha que ele pagou? Não, ele não pagou. Ele foi ameaçado de ser preso se voltasse a fazer isso. Da França ele conseguiu uma lista telefônica da cidade em que Krombach morava e enviou o mesmo panfleto, POR CARTA, para todo mundo.

Isso foi em 1983. Só em 1985 o Sr. Bamberski recebeu uma resposta da justiça alemã em relação a seu pedido de que o corpo de sua filha fosse reexaminado e que uma perícia fosse feita em seus órgãos sexuais. A resposta dizia que não seria possível porque o corpo fora devolvido à França para ser enterrado. Após conseguir uma ordem da justiça, Bamberski mandou exumar a filhar. Descobriram que o corpo estava lá, mas os órgãos sexuais não. Foi só então que ele soube que os órgãos sexuais de sua filha haviam sido removidos e DESAPARECIDO!

 

 

1808499_3_c74b_le-dr-krombach-qui-nie-les-faits-a-ete_5095005f6543d4d8c47711425a227e43
Dr. Krombach , o intocável

 

Em 1993, finalmente, o Sr. Bamberski conseguiu que a justiça francesa denunciasse Krombach por assassinato. Usando de sua influência Krombach conseguiu adiar o julgamento por dois anos e, quando ele finalmente aconteceu, em 1995, ele simplesmente não apareceu. Ele foi  julgado in absentia (significando foda-se se ele não apareceu) e condenado a 15 anos de prisão, mas ainda assim a Alemanha se recusou a entregá-lo. Nos anos seguintes ele preso em seu país acusado de drogar e estuprar uma garota de 16 anos, crime que acabou admitindo devido à grande quantidade de provas. Cinco de suas pacientes também o acusaram do mesmo crime, mas a justiça não abriu processo por falta de provas.

Mesmo assim ele foi preso pelo caso que ele admitiu, certo? ERRADO! A justiça o condenou, mas suspendeu o cumprimento da pena de maneira condicional. Apenas sua licença médica foi suspensa. E melhor ( pra ele): em 2001 a Corte Europeia de Direitos Humanos determinou que o julgamento in absentia havia sido ilegal e condenou a França a pagar 100 mil francos em indenização a ele.

Em 2006 Krombach foi preso por exercício da medicina com licença suspensa, serviu por 18 meses e continuou sua vida normal. O caso de Kalinka não estava em questão e, pela lei francesa a condenação prescreveria em 2012.

 

AGORA CHEGA!
AGORA CHEGA!

 

Em uma manhã de outubro de 2009 a polícia da cidade francesa de Mulhouse recebeu um telefonema de um homem com sotaque russo anunciando que havia um criminoso procurado preso em frente ao tribunal da cidade. Chegando lá a polícia encontrou Dr. Krombach, ensanguentado e amarrado.

Mais tarde foi descoberto que o homem de sotaque russo era o próprio Sr. Bamberski, que foi preso acusado de envolvimento com o sequestro de Krombach. Ele não nega e, embora não dê muitos detalhes, sabe-se um pouco de como aconteceu. Ele conheceu um kosovar chamado Anton Krazniki, que morava na Áustria e se ofereceu para raptar Krombach. DE GRAÇA! O Sr. Bamberski insistiu em ao menos pagar os custos dele e de seus dois comparsas, e a operação foi acertada. Krombach foi sequestrado em sua casa, na Alemanha e levado de carro pela Áustria, Suíça e, enfim, França.  Sabe-se disso tudo porque Krazniki, embora bom de coração, não é muito inteligente e deixou um papel com seus dados completos na porta da casa do sequestrado.

Dr. Krombach permaneceu preso e em 2011 foi julgado. Durante seu julgamento várias mulheres testemunharam afirmando que foram estupradas por ele quando adolescentes. Todos os casos envolveram injeções.  Ele  foi condenado a 15 anos de prisão e a sentença foi confirmada em 2012, após sua tentativa de apelação.

Sr. Bamberski, que foi solto sob fiança, finalmente está sendo julgado pelo envolvimento no sequestro do homem que matou e estuprou sua filha. Se julgamento começou ontem, dia 23 de maio.

 

Levaram 27 anos, muito dinheiro, sua vida, sua carreira, ameaças, prisões e muita frustração, mas Sr. Bamberski finalmente conseguiu obter justiça para sua filha.

 

Boa sorte, Sr. Bamberski
Boa sorte, Sr. Bamberski

 

Heróis da vida Real – Sr. Bamberski

Categoria: Fotos
41

41 comentários

  • My respect.

  • I’ll find you, and I’ll kill you.

  • Na boa, isso renderia um ótimo filme. Essa é uma puta história, o senhor é foda, Sr. Bamberski!!!!!

  • Caraca … boa sorte, Sr. Bamberski!! E parabéns!

  • Pena que a justiça não é justa.

  • foda!

  • Este cidadão ganhou mais um fã!

  • Eu mataria,o dr. Kombrach com requintes de crueldade…

  • Daqui a pouco vira filme.

  • Cara, dessa vez os fiz justificaram os meios!
    Muito bom Sr. Bamberski, finalmente, mesmo que muito tempo depois a justiça foi feita!

  • Karai! véio virado no Punisher!

  • Fico aqui pensando no nível de desespero e angustia que esse cara sentia, principalmente, ao se deitar para dormir.
    E tento imaginar o tamanho da força de vontade que ele possui. Realmente um herói, um pai de verdade!

  • Que julgamento nada…. mandava o sequestrador deixar o cara lá em casa e ele ia sofrer muito….

  • Moral da história: Use camisinha.

  • filme….tem que rolar

  • Herói.

  • Isso sim é amor de pai. Nunca desistir.

  • Sicko depois atualiza o post com o resultado do julgamento? 🙂
    Fiquei muito curioso para saber o que vai acontecer com ele.

  • Sr. Bamberski tem todo meu respeito

  • Depois tem que colar o desfeixo da historia e boa sorte Sr. Bamberski

  • poxa muito legal a história deste homem. Com determinação conseguiu que o filha da mãe, que estuprou e matou sua filha fosse preso. Boa sorte, Sr. Bamberski(2)

  • Dale Bamberski.

  • Vai virar filme.

  • Não tenho dúvidas que o Sr. Bamberski é um ser humano 10000x melhor do que eu. Se fosse comigo, esse Dr. Krombach não estaria nem vivo pra ter um julgamento.

  • Esse é um homem de coragem e que merece respeito!! Boa sorte pra ele no julgamento!!

  • Porra, sr. Bamberski… estava mesmo determinado a colocar o Krombach na cadeia. Era mais fácil matá-lo, mas aí não seria exemplar. Uau, 30 anos..

  • Me impressiona o esforço que esse homem deve ter feito para nunca ter assassinado esse grandessíssimo filho da puta.

  • homem de verdade!porem… se o medico tivesse morrido em um acidente de carro naquela epoca…nao teria feito mais nada a ninguem dpois da filha do homem! mas logico…matar é errado né???

    • Leve em consideração que o cara estava buscando justiça o que é totalmente diferente de vingança.

      E não estou defendendo o médico, antes que falem, estou defendendo o Sr. Bamberski.

      • Certíssimo, se matar um estuprador não leva a nada… Não devemos nos preocupar com essa justiça rápida que faz com que um cara desse leve 30 anos praticamente para ser julgado e preso… Qual o problema que nesses 30 anos ele pode estuprar, matar e destruir a vida de varias mulheres… ele tem que ser preso e julgado… morto jamais.

        • ja viram cadeirantes e cegos cometendo crimes? seria um meio de nao matar e dar jeito neles?

      • a necessidade de segurança da maioria é mais importante do que qualquer lei criada pelo homem!

    • penso que sequestrar o assassino e estuprador de sua filha é certo.
      está de parabéns!
      ganhou uma estrelinha, Sr. Bamberski! 🙂

  • E a gente acha que só a justiça do brasil é corrupta, ineficiênte etc.. A merda está espalhada pelo mundo!

  • Herói!!

  • Esse homem. Merece o meu respeito

  • desgraça e ele ser preso poderia ter castrado o fdp

  • se um filha da puta faz isso com a minha filha e sai livre, eu pego ele na porta do tribunal

  • Barrou o Chuck Norris!

  • cara, se fosse comigo eu caçava, torturava, depois matava esse fdp. Nesse tempo o cara estuprou mais gente e matou. Ser preso não é o bastante pra esse crime

  • Eu gostei da história e acho legal as pessoas poderem imprimir seu senso de justiça quando há realmente um crime cometido.No meu caso foi bem parecido…mas acabou mal

Deixe uma resposta